Bilhetes CASTELO DE S. JORGE E LISBOA HISTÓRICA - MUSEUS E MONUMENTOS DE LISBOA | Blueticket

Sinopse

++ SEM FILAS, SKIP THE LINE ++

 

O bilhete inclui: Castelo de S.Jorge + Museu do Fado + Museu do Aljube + Museu de Lisboa (Teatro Romano, Santo António, Casa dos Bicos)

 

Crianças até aos 11 anos (inclusive) não pagam

Bilhetes válidos durante 90 dias

 

* Últimas entradas 30 minutos antes da hora de encerramento

 

A EGEAC é responsável pela gestão de alguns dos mais emblemáticos espaços culturais e monumentos da cidade de Lisboa.

Para simplificar o acesso a estes conteúdos a EGEAC agrupou-os em packs temáticos que o ajudarão a programar as suas visitas de forma simples e intuitiva.

 

Castelo de São Jorge: Aberto ao público sete dias por semana, o Castelo de S. Jorge é hoje um local onde se pode desfrutar do património, ficar a saber um pouco da história de Lisboa no Museu, explorar os vestígios do bairro islâmico do século XI no Sítio Arqueológico, descobrir vistas inéditas da cidade no Periscópio – Torre de Ulisses, passear pelos jardins e miradouro, fazer uma pausa no Café do Castelo, participar em visitas guiadas ou noutras atividades lúdico-pedagógicas ou, simplesmente, deixar-se encantar com a música, o teatro, a dança e as tertúlias sobre património que vão animando os dias neste notável monumento de Lisboa.

Horários: aberto todos os dias.*

Horário de Verão 9h-21h.

Horário de Inverno: 9h-18h

Saiba mais aqui

 

Museu do Fado: inteiramente consagrado ao universo da canção urbana de Lisboa, o Museu do Fado dedica-se à preservação, investigação e fruição do acervo alusivo ao património do Fado através da exposição permanente sobre a história do Fado e da Guitarra Portuguesa. O Museu promove regularmente exposições temporárias e integra uma escola, um centro de documentação, um auditório, uma loja temática e um restaurante.

Horário: 3ª a Dom. das 10h às 18h*

Saiba mais aqui

 

Museu de Lisboa - Teatro Romano: As ruínas de um antigo teatro romano numa colina do Castelo de São Jorge permitem desfrutar das marcas da história na cidade e transportam-nos para a Olisipo do início do século I d.C.. Abandonado poucos séculos mais tarde e redescoberto graças ao processo de reconstrução que se seguiu ao terramoto de 1755, foi tornado núcleo museológico, inaugurado como Museu do Teatro Romano em 2001 e passou a integrar o Museu de Lisboa em 2015. Instalado em dois edifícios, este “museu de sítio” inclui uma área de exposição de longa duração e um campo arqueológico.

Horário: 3ª a Dom das 10h às 18h*

Saiba mais aqui

 

Museu do Aljube: O espaço que albergou uma antiga prisão política da ditadura presta agora homenagem à resistência e à liberdade através do Museu do Aljube. Nos quatro pisos do número 42 da Rua de Augusto Rosa organizam-se uma mostra de objetos arqueológicos, um espaço para exposições temporárias, uma exposição permanente que percorre a história do país a partir de 1890 e testemunha a forma como se estruturaram as lutas pela liberdade e contra a ditadura, e um auditório e uma cafetaria com vista panorâmica sobre a Sé Catedral e o rio Tejo. O museu também dispõe de um serviço educativo (que organiza visitas didáticas) e de um centro de documentação, onde disponibiliza literatura especializada e desenvolve atividade de investigação aplicada às temáticas do Museu.

Horários: 3ª a Dom. das 10h às 18h*

Saiba mais aqui

 

Museu de Lisboa - Santo António: Um dos santos mais amados de Lisboa tinha que ter o seu altar museológico ao lado da Igreja que lhe é dedicada, paredes meias com a Sé Catedral de Lisboa, cidade onde António nasceu e viveu até completar 20 anos. Este espaço, agora integrado no Museu de Lisboa, resulta da transformação do Museu Antoniano, em funcionamento desde 1962, após ampliação e reformulação do espaço expositivo em 2014. Continua a prestar homenagem ao santo que até os italianos reclamam para si, através de uma área de exposição de longa duração apoiada por um centro de documentação.

Horários: 3ª a Dom. das 10h às 18h*

Saiba mais aqui

 

Museu de Lisboa - Casa dos bicos:  Era chamada a Casa dos Diamantes no século XVII e até deu origem à expressão popular segundo a qual “ter a casa dos Bicos” descrevia uma fortuna pessoal. Edificada entre 1521 e 1523, pertenceu à família de Afonso de Albuquerque, sofreu bastante com o terramoto e o passar do tempo. A reabilitação de 1981 contribuiu para devolver a volumetria original ao edifício e o fulgor a uma das mais originais fachadas de Lisboa. Os pisos superiores estão cedidos desde 2008 à Fundação José Saramago, enquanto que no piso térreo se encontra o núcleo em questão, que faz parte di Museu de Lisboa, composto por uma área expositiva de longa duração e pelo campo arqueológico.

Horários: 2ª a Sábado, das 10h às 18h*

Saiba mais aqui

 

 

 

loading